“Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará” (Mt 6.6).

Hoje percebi que Ele queria falar-me. Rápido me preparei e comecei a falar. Falava loucamente tudo que me vinha a mente. Quantas palavras. Quantas situações. Compulsivamente falava e, nada ouvia.  Perdia-me na barafunda dos meus pensamentos. Quanta confusão.

Ele quer falar comigo!

Procuro um lugar calmo onde eu possa falar com meu Pai. Eu sei que preciso de tranqüilidade para ouvi-lo. Preciso de um local onde eu possa ser eu mesmo, sem ter que dar explicações. Preciso de um local onde eu não tenha vergonha de rir, chorar, berrar, gemer ou cantar. Preciso um local onde eu não tenha medo de me expressar.

Ah, já sei!

Entro no meu quarto, no meu coração. Agora sim eu posso falar! Agora posso ouvi-lo. Mas… quantas conversas, quantas músicas, quantos ambulantes berrando seus produtos,  quant0 barulh0, quanto quantos… Meu Deus, que faço?

Preciso fechar a porta.

Sim, quase me esquecia… Fechar a porta de tudo que tenho que fazer hoje. Fechar a porta ao cansaço. Fechar a porta dos projetos já realizados e daqueles que nunca foram para o papel. Fechar a porta dos sonhos que já tive, dos sonhos de consumo e dos sonhos que se perderam. Fechar a porta dos problemas já resolvidos e dos problemas que não posso resolver.  Fechar a porta das conversas que já ocorreram, das conversas mal acabadas, das conversas que nunca tive e das conversas que um dia terei. Fechar a porta a minhas preferências e as minhas antipatias.

Oh meu Deus só tu podes fechar as muitas portas do meu coração. Socorra-me, ajuda-me a só ter ouvidos para ti. Ajuda-me a sossegar minha mente para que eu possa fixar meus olhos em ti e em nada mais.

Quero ouvir somente a ti. Conversar contigo que habitas em mim (1Co 3.16). Deleitar-me em estar oculto em ti (Cl 3.1). Que nossa intimidade seja percebida pelos outros sem palavra alguma, só pelo resplendor da tua presença.

“Eu sou do meu amado, e ele tem saudades de mim. Ah! Venha meu amado para o seu jardim” (Ct 7.10; 4.16b).

11 de novembro de 2008
sérgio de avillez

Print Friendly, PDF & Email

Related Articles

Sobre o autor Veja todos os posts Author website

Sérgio Avillez

Pastor que nas horas vagas gosta de fotografar o belo.
Oração: Minha necessidade, meu prazer!