O dia agitado. O trânsito terrível. O cansaço incrível. Inúmeros acontecimentos roubam nossa paciência. E, para completar as juntas e ligamentos solicitam mais atenção e trazem demandas: dificuldades que passam e que  simplesmente querem desabafar. Conselhos, orientações são solicitados e temos que manter a graça e a gentileza.

De onde, com frequência, fazemos “saques” para manter isso? Dos relacionamentos mais próximos: marido e mulher, pais e filhos, irmãos e irmãs. Estes são, invariavelmente, os relacionamentos que “exigimos” compreensão e paciência. Mas temos este direito? Podemos usar desta liberdade?

Não é uma questão de direito ou de liberdade. É uma questão de sabedoria e princípio. Não podemos exigir que os mais próximos sofram nossas demandas. Observe este versículo do Sermão do Monte:

“Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a Lei e os Profetas.” Mateus 7:12.

Quem não gosta de ser bem tratado? Nem mesmo um louco despreza a boa educação. Nem o insensato despreza a amabilidade. Quanto mais o nosso próximo mais próximo! A eles sempre devemos ser amável. Não importa o meu dia, não importa que sejam irritantes, seja amável. Trate os outros como você gostaria de ser tratado. É princípio divino.

“Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade; porém não useis da liberdade para dar ocasião à carne; sede, antes, servos uns dos outros, pelo amor” Gálatas 5.13.

Se você está muito desgastado pela demandas intermináveis, se teve um dia daqueles, se… não importa qual seja a situação, não descarregue no outro. Seja sábio. Prepare-se para encontrar com o outro. Se você está voltando para casa, vá devagar. Se você está em casa, feche-se no quarto, no banheiro (para mim é como o lugar santíssimo do tabernáculo: um refúgio secreto), vá tomar um sorvete. Faça o que quiser, mas fuja da confusão para a presença do Pai.

“Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.” Mateus 6:6

“Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo.”  Salmos 131:2

Ninguém precisa saber que você esteve na presença do Pai se acalmando, se aquietando, se renovando. Só você. O que os outros precisam ver é como você é amável, como você é atencioso, como você é cheio do Espírito Santo.

Sempre amável, como Cristo Jesus!

Print Friendly, PDF & Email

Related Articles

Sobre o autor Veja todos os posts Author website

Sérgio Avillez

Pastor que nas horas vagas gosta de fotografar o belo.
Oração: Minha necessidade, meu prazer!

1 CommentLeave a comment

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *